Doenças Associadas à Obesidade

doenças ligadas à obesidade

São várias as doenças associadas à obesidade, dependendo do seu grau, pois a obesidade pode ir do leve ao grave, ou seja, pode variar na faixa do Índice de Massa Corporal (IMC) de 30 kg/m2 até acima de 40 kg/m2.

Quanto mais severo for o grau da obesidade, maior é o risco de as doenças associadas a ela aparecerem e de forma mais intensa ou perigosa. Elas podem afetar a capacidade funcional, reduzir a qualidade e expectativa de vida e até aumentar o risco de morte.

A obesidade está fortemente ligada ao desenvolvimento de doenças metabólicas, mas outras de natureza diferente também podem se desenvolver, como as doenças ligadas às articulações. As doenças relacionadas com a obesidade podem atingir tanto a saúde física quanto a mental. Algumas das principais que destacamos neste artigo são as seguintes:

 

atenção

1. Diabetes tipo 2

É comprovado que o peso elevado aumenta as chances de desenvolvimento de diabetes tipo 2 em longo prazo.

Por isso, quem está obeso, mas ainda não desenvolveu diabetes tipo 2, se reduzir o peso ocorre também redução do risco de desenvolver diabetes. Já quem desenvolveu diabetes na obesidade, mas ainda sim perder peso, consegue manter o controle glicêmico normalizado.

Com isso, concluímos que a perda de peso não apenas reduz o risco do desenvolvimento de diabetes tipo 2 como também melhora o controle dessa doença.

 

atenção

2. Doenças cardiovasculares

São várias as doenças cardiovasculares que a obesidade pode causar, como infarto, angina, acidente vascular cerebral (AVC), insuficiência cardíaca, aterosclerose, doença arterial coronariana e outras.

Adolescentes com o IMC elevado têm maior tendência de desenvolverem doenças cardiovasculares na vida adulta. Além disso, quanto mais elevado for o IMC, maior é o risco de hipertensão arterial, um fator que pode desencadear o desenvolvimento das doenças cardiovasculares.

As doenças cardiovasculares também podem se desenvolver na obesidade em virtude do aumento dos triglicerídeos, por causa do aumento do trabalho mecânico e em virtude do acúmulo de gordura no interior dos vasos sanguíneos. Pode-se avaliar o risco do desenvolvimento de doenças cardiovasculares e outras complicações metabólicas não apenas pelo IMC quando este é elevado, mas também pela circunferência da cintura (CC).

Quando a CC em homens é igual ou maior que 94 cm, há risco elevado e quando é igual ou maior que 102 cm o risco é muito elevado. Já nas mulheres, quando a CC é igual ou maior que 80 cm, o risco é elevado e quando é igual ou maior que 88 cm, o risco é muito elevado.

 

atenção

3. Síndrome metabólica

É um grupo de condições que incluem: obesidade abdominal, hipertensão arterial, resistência à insulina, aumento dos triglicerídeos e colesterol LDL e glicemia e diminuição do colesterol HDL. A redução do peso reduz de forma significativa a prevalência da síndrome metabólica.

 

atenção

4. Doenças respiratórias

Os problemas respiratórios podem surgir na obesidade por causa do peso que a gordura exerce sobre os pulmões.

Alguns exemplos de problemas respiratórios em pessoas com excesso de peso são: apneia obstrutiva do sono, asma, embolia pulmonar e problemas mecânicos no diafragma

 

atenção

5. Doenças do trato digestivo

Na obesidade, as doenças do trato digestivo que podem surgir são, principalmente, as doenças da vesícula biliar, esteatose hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) e pancreatite.

O excesso de peso aumenta de forma significativa o risco de litíase biliar (cálculos ou “pedras” na vesícula biliar). Já em relação à pancreatite, a obesidade aumenta as chances de gravidade e morte por pancreatite aguda.

Quanto à DHGNA, esta relaciona-se com a síndrome metabólica e isso aumenta o risco cardiovascular. Boa parte dos obesos que têm DHGNA podem ter também esteato-hepatite e cirrose. Após a perda de peso, as chances de reversão da esteatose são bem altas.

 

atenção

6. Câncer

Há forte associação entre o IMC elevado e o risco de câncer. Quanto maior o IMC, maior o risco do desenvolvimento de neoplasias.

Alguns tipos de câncer envolvidos na obesidade são o de esôfago, hepático, cólon e reto, pâncreas, vesícula, renal, próstata, medula óssea e outros.

 

atenção

7. Doenças das articulações

A obesidade também têm influência no surgimento de doenças das articulações e uma delas que se destaca é a osteoartrose de joelho e de quadril, com risco fortemente aumentado para a osteoartrose de joelho e moderado para a osteoartrose de quadril.

Os problemas articulares surgem por causa do impacto que o excesso de peso causa nessas regiões, principalmente quando o peso é muito elevado. Outras doenças articulares que também podem surgir são doença articular degenerativa e gota

 

atenção

8. Doenças psiquiátricas

Muitos problemas psiquiátricos podem surgir em pessoas obesas e alguns deles são: baixa autoestima, ansiedade, depressão, transtorno de personalidade, entre outros.

 

atenção

9. Outras doenças

Outras doenças ou condições associadas à obesidade são:

● Dislipidemias: alteração dos níveis de triglicerídeos (gorduras acumuladas no tecido adiposo) e colesterol (acúmulo de placas de gordura nas artérias). Os triglicerídeos e colesterol ruim (LDL) estão aumentados e o colesterol bom (HDL) diminuído
● Hipertensão arterial e hipertensão intracraniana
● Insuficiência renal crônica
● Doença do refluxo gastroesofágico
● Distúrbios do sono como apneia e insônia
● Disfunção erétil
● Infertilidade masculina e feminina
● Síndrome dos ovários policísticos
● Doença hemorroidária
● Maior risco de ruptura de vasos e de formação de coágulos
● Varizes
● Dores por diversas regiões do corpo
● Problemas de mobilidade, em caso de obesidade mais severa
● Cansaço e falta de disposição
● Falta de concentração e memória
● Disfunção cognitiva e demência
● Baixa qualidade de vida
● Diminuição da expectativa de vida

Quando a obesidade é tratada, muitas dessas doenças tendem a desaparecer, como vimos. Porém, algumas infelizmente não podem ser mais revertidas e, nesses casos, o que se pode fazer é tratar a doença para minimizar o risco de mortalidade.

Pílula para perder gordura abdominal ➚

 

A mortalidade é o desfecho mais crítico resultado do impacto que muitas doenças associadas à obesidade podem causar. Estudos mostram que a perda de peso leva à redução significativa da mortalidade, por isso, se você tiver um diagnóstico de obesidade, precisa o quanto antes reverter esse quadro para aumentar as chances controlar ou evitar as doenças à ela associadas e, principalmente, o risco de morte.

 

 

Outros…

Boa alimentação contra obesidade. O que funciona? ⇗

Dietas restritivas NÃO são boas? Saiba os detalhes aqui ⇗

Pílulas para emagrecer em São Paulo. Entrega rápida ⇗